domingo, 20 de janeiro de 2008

Coletânia TNTema - Devaneio Já que tão Distante


Coletânea TNtema, esses foram alguns dos desenhos que fiz para o blog que gosto muito, não tinha postado eles por aqui ainda então ai vai!

é engraçado ver a diferença dos primeiros, agora contudo, estou tentando desenvolver esse estilo mais "sujo". e também vou buscar algo mais realista com mais camadas e mais "dimensões” nos próximos.
(ainda devendo a Fada 2)

Super kids- fantastic Four, Páscoa: littler rabbit, Monstros: Monster, Fantasy: lazy Gnome (Duende folgado)

http://tntema.blogspot.com

Devaneio


Já que tão distante.

Jaz em versos de despedida
Aurora de beleza nunca antes vista
Quase mágica no meigo inclinar em seu ombro
Um sorriso que facilmente te conquista

Em momentos importunos me visita
Leva-me por instantes a sua presença,
Inquieto-me, pois sei que longe vagueia,
Numa inalcançável dimensão,
Enraizada, ecoa como uma bela canção.

Tão diferente e singular
Apaixonante em um doce olhar
Onde se esconde carinhosa e egoísta.

Deixem que caminhe livre e bela,
Inspiração de força que é somente dela.
Sei que um dia... quando se encontrar, nela ira se rebelar.
Tão belo sonho se entrega ao demérito.
Antes, fecha os olhos ao que lhe entrego.

Na calma noite sonhas... e sei que terás,
Tudo que merece e o mínimo que desejas
Então agradeço tudo que a mim entregas.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

entrelaços _ primeiro post 2008- Devaneio 11 "seja lá o que fosse"

Nos últimos meses do ano comecei a brincar com traços e compor com um lápis vermelho e canetas esses espaços e configurações, linhas que criam e desmentem superfícies, descobri o resultado meio por acaso em um outro caderno e nesse a5 que saio por ai desenvolvi uma série que foi ganhando forma. ai alguns dos resultados, as linhas que no começo eram bem perdidas começaram a se unir e criar valores. eles não tem pretensão de formar nenhuma imagem referencial ao mundo, mas alguns conseguem, não busco nem inibo esse acontecimento.

Do ultimo ao primeiro...
















Mais um Devaneio

Seja lá o que fosse ...

Se eram flores ou apenas o mato que crescia
Nunca saberei dizer de certo a diferença
Sei apenas que na penumbra daquele fim de tarde
O mar era apenas tormenta.

Com os pés descalços observando as nuvens a caminhar
Sentindo o toque suave das folhas e da areia a beira mar,
Ouvindo sons distantes que talvez nem desse planeta fizessem parte
Junto com o toque do vento nas águas que lambiam a praia.

Sei apenas que eram tristes, e não prometiam vingar.
Se flores fossem seriam belas, mas não há como confirmar.
Se fosse apenas o mato, ou planta sem nenhum glamour
Era de fato um ótimo lugar para morrer só.

As linhas que se entrelaçavam em meu olhar turvo na distância,
Juravam que eram nascidas da lembrança
E que dês de sua tenra infância viviam a procurar um par.
Entravam e saiam, davam nó e quebravam esquinas,
Mas pobres meninas... Nunca chegaram a nada se tornar.