domingo, 21 de dezembro de 2008

Postagem de Fim de ano

Para finalizar o ano vou postar alguns desenhos e ilustrações decorrentes desses 12 longos/curtos meses
bom 2009 a todos nós.



Esta foi para o ETC&Traço com o tema Samurai + Espaço



Faroeste Caboclo: esta ilustração era para o TNTema, o tema era Faroeste, porém não terminei a tempo (na verdade ainda não está pronta, esse é só o fundo dela. quem sabe em 2009 ela fica pronta)


Este foi um estudo de uma estampa para Litografia.
o resultado foi quase semelhante.




Um projeto de desenho que iniciei esse semestre inspirado em trabalhos da artista Mira Schendel. ( se alguém quiser dar uma olhada nesses trabalhos que me inspiraram é só ir na Estação Pinacoteca em São Paulo.)
esse foi o primeiro estudo. o segundo esta mais limpo. e pretendo chegar em algo mais e mais leve. uma cor, camadas e linhas.




E para Finalizar, esse rabisco aqui totalmente descontraído
só pra dizer que ano que vem esses caras vem pra SP e eu Vou estar lá cantando as musicas que povoam meus dias. hehe
2009. espero que seja bom para todos a minha volta de alguma forma.

abraços!

Devaneio


No Silêncio

Aquilo que fica no silêncio

E que nada pode acordar

Aquilo que morrerá comigo

Quando tudo acabar.


Aquilo que não posso te dizer

Aquilo que não quer escutar

São marcas do que pode acontecer

São coisas que não quero deixar.


Tem coisas que massacram no silêncio

Palavras que morrem na garganta

Desejos são presos no peito.

Mutilações de possíveis mudanças.


Quantas alegrias morreram no silêncio

Quantos “quase” se fizeram no vazio

Quantos caminhos acabaram destruídos,

quantos sonhos se perderam consigo.


Para você que me deixou ir

Que não quis lutar com medo de se ferir

Que não me deu aquilo que merecia,

Espero que encontre o que você queria

Espero que não se perca em mórbidas fantasias

Espero que pare de fugir.


Para você que me segurou,

Que quebrou o silêncio que me suprimia

Que com um olhar fez de musica a minha sala.

Espero estar contigo a cada momento.

Espero ser este o fim do tormento

Espero encontrar o que me levaram no vento.



sábado, 29 de novembro de 2008

Sereia - Desenho 69/Devaneio 24



Técnica: Lápis de cor, grafite, acrílica + Photoshop

Este foi feito para o Tntema, sereias.



Sereia

Nunca estive em solo no mundo

Tenho inúmeras vidas a minha volta

Nunca nadei sozinha, mas sigo solitária.

Nunca me viram como eu sou de fato

Não fora do meu mundo.


Mas se um dia eu sair,

tenho medo do que farão de mim

Não sou como imaginam

Não tenho o que desejam

Não sou estranha ou comum.


Um dia eu me aventurei

Por terras que não conhecia

Receberam-me com alegria ou era apenas ironia?

Cai em mãos, rastejei em desejos

Caminhei? Dei passos ilusórios


Fui presa em armadilhas.

Meu ultimo pensamento foi dor

Minha ultima alegria o desconhecido

Minha ultima saudade: meu mar de fantasia.


sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Pierrot 2 - Toda Alegria tem Fim


técnica= Photoshop + tablet.

Nossa foi difícil refazer essa ilustração do Pierrot (minha primeira participação no Blog Tntema)
além de estar em época de provas na facul, cheio de coisas para fazer, o meu pc não ajudou muito.
Travando, desligando e o "inteligente aqui" esquecendo de salvar.
Fora que além de treinar pintura na tablet, também tava brincando com perspectiva que ainda tenho algumas deficiências.



Toda alegria tem fim, ao fim do carnaval.


Sim, chega a hora que as mascaras caem.

Que as rosas secam

Que o confete não vai estar mais lá.


Chega a hora em que temos que dizer adeus

O momento de pedir aos céus...

Um pouco mais de tempo.

Um pouco mais de contentamento


Sim, vai chegar a hora que não vou estar com você

Vai chegar a hora que irá me perder.

Não que seja desejo meu,

Não que você desconheça o que perdeu.

Sei que todos nós faremos escolhas

Sei que todos regam suas próprias folhas.


Na quarta caem as mascaras...

Na vida podem cair a qualquer momento

Toda alegria tem fim

Toda mentira também.

Mas nem mesmo a verdade é redentora

Em um mundo de soluções predadoras.


Toda tristeza tem começo

Do fim pouco conheço

E da alegria ninguém sabe quando começa

Mas a todo o momento sente-se ela partindo.


domingo, 28 de setembro de 2008

Desenho 67 - Devaneio 22 - Nus


Técnica: nanquim, papel jornal, acrilica e photoshop
+ modelo vivo.


técnica: Lapis de cor, guache, acrilica, nanquim e um pouco de photoshop

Estas ilustrações foram feitas para o Blog TNTema o nu artistico, vale apena ir lá e ver os trocadilhos e as belas artes.

Nu

Em meio ao vento frio,

O sopro percorre meu corpo

Não sinto um simples calafrio

Estou planando no topo.


O topo da vaidade

Na frágil cadencia da verdade

Desprovido de mascaras e de receios

Caindo em profundos devaneios


Sem força e sem coragem

Sem coletes sem vantagem

Só seu e o meu partidos

Só o Não e o Ser, perdidos.


Não tente me julgar

Não posso suportar

Sem santidade e sem perfeição

Sem castidade e sem paixão.


Estou caindo em um precipício

Estou voltando para o principio

Estou pedindo a sua ajuda,

Em dois segundos a despedida.



terça-feira, 19 de agosto de 2008

Desenho 66 - Devaneio 21 - Lacuna


Retrato feito tendo um fotografia como referencia
Técnica: extrato de nogueira sobre papel, finalização Photoshop



Lacuna

“A Sua falta é uma lacuna...

Tão real e sólida quanto aquelas

Que mantêm em pé

O prédio ao qual você não está.

E o que antes era a dor de esperar alguém

Que não se sabe que virá,

Hoje é a dor da certeza,

De que você não vai estar lá.

Por outro lado é leve,

Pois não tenho por que de desejar,

Nem motivos para me forçar.

Apenas a bela saudade,

E o conforto de pensar em você,

Bem, ou tentando bem estar,

Às vezes longe, às vezes no mesmo lugar.

Às vezes a culpa é apenas do céu,

Da impressão que nos dá,

Que o sol andou, e com ele mudou

Tudo e todos de lugar...”



quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Guerreira - Desenho 65 - Devaneio 20 - E se todas as rosas...


Técnica: Nanquim, Pintura Digital.

Olá a todos, como fim de férias terminei a cor dessa ilustração que é um pouquinho velha, o desenho eu devo ter feito a uns dois anos, por isso não gosto muito do resultado da arte final, proporção e tudo mais. como eu já tinha começado a colorir resolvi terminar pra treinar.
abraços a todos.


e mais um devaneio.

E ainda que todas as rosas nascessem vermelhas

E como se na dor fosse mais bonito vê-las

E se nada fosse um grande vazio

E sem sentido vagássemos por entre as estrelas...

Ou se perdendo como um gato vadio

A procura de algum novelo...

Ainda assim seria dor a vida,

Seria êxtase e desespero

Pois nada é tão certo quanto o incerto

Nada é tão verdade quanto à falta do verdadeiro,

Nada é apenas nada quando tocamos o concreto.

E ainda que todas as rosas crescessem belas

E toda sua vida dependesse delas

E se o vermelho fosse o seu sangue

E as pétalas desabrochassem nas batidas de seu coração

Nada disso seria tua certeza

E nada porém, seria em vão.


sábado, 26 de julho de 2008

Capas Fabulário - Devaneio 19



Técnica: colagem, fotomontagem - photoshop

Capas do Fabulário “Special Edition # 1”

Olá a todos, para quem não sabe, faço parte de um grupo de discussão de ficção fantástica nas artes (o Fabulário) onde produzimos uma revista independente. Estas foram as capas da nossa primeira edição totalmente em inglês, estamos a caminho da segunda edição em português com contos, artigos, resenhas, quadrinhos, ilustrações e etc.

Para ficar sempre por dentro das novidades do Fabulário visite nosso blog que tem sempre alguma postagem interessante sobre assuntos relacionados ao universo fantástico.

E em seguida mais um devaneio

.

São folhas o vento e cais.

São folhas, são ventos, são águas.

São mastros, o frio, e o cálido.

São pétalas, escárnios e fantasias.

São lagrimas que os olhos assediam.


São belos sonhos in-reais,

São belos... distantes temporais.

São carne e sangue divididos.

São os que não pode ser unidos.


São bocas, beijos e abraços,

São desejos que não serão realizados

São rosas que morrem no armário

São poemas e amores rejeitados.


São folhas que ao vendo são levadas

Pra as margens das águas salgadas

E nos mastros de um frio navio,

Se leva um cálido coração partido.


São pétalas, são lagrimas...

São todas as coisas que foram deixadas.

Fantasias de dias inesquecíveis

São belos sonhos... sonhos que não podem ser vividos.


São rosas, beijos e temporais,

São tudo que amei e me distanciam do cais

São tudo que não tenho,

E tudo que eu finjo não querer mais.



segunda-feira, 30 de junho de 2008

O que é o tempo? Devaneio - 18 - Desenho 63 - Quente, porém frio


Este foi para o ETC & Traço, blog tematicos ao qual participo
o tema era estações do ano. esse ai é meu verão.

O que é o tempo?

O que é o tempo, vil mortal?
O tempo é uma medida imaginaria
O tempo enquanto número não é nada
É apenas uma fraca marca
Que se torna importante pelo que fizemos dela
E nada mais

O que é o tempo, tolo mortal?
O tempo é aquele que vai te mostrar seus erros
O tempo é aquele que vai cravar seus arrependimentos
Será ele que te dirá que você errou
E que o deixou passar.

Oh! Pobre mortal, não seja refém do tempo
Não tenha dó de desperdiçá-lo
Não tenha medo de perdê-lo
Não o encare como o que você é
Não foi ele que te fez, e sim você
E aqueles que o amam a sua volta

O que é o tempo, seu idiota?
Acha que ele se preocupa com você...
Acha que o tendo nas mãos vai ser mais seguro?
Não importa se são um, dois, três ou a eternidade...
Quantos anos for, acha que estará seguro!?
Nunca, o tempo não trás segurança
E sim acomodação

Fique parado!
Tenha medo!
Não, não siga em frente
Deixe o tempo passar.
Perca!!
Tenha medo de tentar!
E você vera...
Ahhh sim… Um dia verá
O tempo bater a sua porta
Trazendo em forma de insatisfação
Tudo aquilo que você teve medo de conquistar.

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Distantes e Dissonantes - Devaneio 17 - Desenho 59



Técnica: Água tinta, e caneta nanquim
(gravura em metal)

Distantes e Dissonantes

É fácil se desejar
É compreensível se querer
É humano se enganar
É triste não saber...

É estranho esperar
Sem ao menos saber o que!
É constante o sonhar...
É distante o viver...
Eu...
Você...
Distantes...
Inconstantes...
Dissonantes...

Eu que aqui a imagino
E continuo do mesmo jeito a viver
Você do mesmo modo
A mercê de outros braços
De outros abraços
De outras palavras
Que não as minhas...
Que aqui sozinhas
Esperam por nascer
Esperam por você…


Desculpe-me todos que visitam o "Desenhos e Devaneios" por não ter atualizado por tanto tempo, para compensar o sumiço devido a compromissos que não me permitiram escrever e desenhar, além de mais um Devaneio, segue alguns estudos ainda não finalizados de nanquim e também a ultima ilustração que fiz para o Tntema.


Técnica: Nanquim s/ Canson


Técnica: Nanquim s/ Canson

Técnica: Caneta Nanquim, Lápis, Xilo e Photoshop
Alien estranho, Tntema.

quinta-feira, 8 de maio de 2008

Nas Dobras e desdobramentos - Devaneio 16 - Desenho 58




Técnica: Lápis de cor em papel reciclato + photoshop

Modelo: Évelin Bandeira (grande nova amiga)


Nas dobras e desdobramentos

No inicio somos e não sabemos
E em um segundo momento, nos esquecemos.
E com a sorte ou destino
De repente nos reconhecemos
Esbarramo-nos meio que por acidente.

E que feliz acidente!

Dobramos-nos no vento,
Em busca de um único e perfeito movimento.
Chegamos a configurações inimagináveis
Á lugares que não existiam,
Pois não pensávamos em criá-los.

Nos encantamos com os movimentos de uma boneca
Nos seus movimentos de pano e encantos de pimenta
Nas risadas de palhaços, nos vazios dos espaços
Na simples busca do indefinido
Na incerteza do que é incontido de fato.
E de fato, os fatos são abstratos, e não só retratos.


sábado, 5 de abril de 2008

Desenho 57 - Péssimos e um pouco de sua História




Técnica: caneta e photoshop



Péssimos


Este é um anjo da guarda um pouco diferente.
De aparência, tem uma semelhança comigo
Psicologicamente nem tanto.

O nosso amigo Péssimos, além de estressado
É, até no nome meio pessimista.
Acredite, com a sorte que ele tem você também seria.

Seu antigo cliente era vocalista de uma banda de metal famosa
Que por ética de trabalho não podemos citar nomes.

Em uma festinha abençoada, Péssimos se envolveu com algumas diabinhas
Se distraiu, e quando foi ver, já era tarde de mais
Seu cliente, acabou morrendo.

A "Gerencia", que gostava muito da banda, ficou furiosos com nosso anjo.
E como penitencia, ele esta encarregado de assegurar que seu novo cliente,
Que esta destinado a se tornar o Presidente do Brasil, não morra. Pois se isso acontecer, ele perderá suas asas, e vai para o inferno. e quando digo o inferno, não estou falando a primeira classe (churrasco, mulherada, piscininha aquecida)
e sim o inferno na classe econômica, uma visão tão medonha que poucas coisas na terra podem se comparar. (uma cena bem próxima é o pessoal entrando no metro Brás as 7:00 da manhã) eu sei, eu sei... pavoroso.

Ai você me diz “ pó, então ele não é tão azarado assim, vai cuidar do futuro presidente!”
É ai que vocês se enganam.








Este aqui é o Felicios. Como vocês podem ver ele só tem um olho. (uma longa história) na proxima vez que ele aparecer por aqui , explico hahaha
Eles são dois personagens que criei para um projeto de tirinhas, não continuei as tiras, mas eles são personagens que gosto muito.
Finalmente atualizando (sim, minhas provas acabaram na facul, mesmo assim to cheio de trabalhos ainda)
abraços a todos que por aqui passarem.


segunda-feira, 10 de março de 2008

Desenho 56 ( Auto-retrato TnTema ) Devaneio 13 e 14 ( Eu...) e ( Eu 2)



Finalmente atualizando!

Por falta mais de estimulo do que tempo, fiquei sem terminar umas 5 ilustras hahaha, vou termina-las e em breve aparecerão aqui!

por hoje, mais uma para o TNTema. Auto-retrato.

e Devaneiso que são auto-retratos.

Eu....

Eu sou o meu destino
Eu sou a minha esperança
Eu sou os meus desejos
Eu sou minha abonança.

Eu sou o avesso do comum
Eu sou a cópia do que desconheço
Sou o caminho desconhecido
Sou o que sempre volta ao começo

Sou o que ama veladamente
Sou o que te deixa rosas no armário.
Eu sou o que se esconde de si mesmo
Eu sou o que se conhece no espelho
Eu sou apenas o que sou...
Não ser o que quero é o meu medo.
Não ter o que sonho é minha sina.

Eu 2

Sou estrada
Não sou estação
Sou pegadas,
Sou apenas ilusão

Não sou um porto
Sou o mar...
Eu sou o vento
Que vai te levar.

Não sou o sonho,
Sou apenas o sono,
Não sou a felicidade
Mas levo até ela...

Sou o corredor
E não o quarto ou sala
Não sou cômodo algum.

Sou o vácuo do silencio
Sou o que se cala entre seus pensamentos.

Sou o inconstante e o mutável,
Sou o que não pode ter nem desejar
Pois nada fica por mim,
Tudo passa, leva-me um pedaço...
E deixa-me ao descaso.
Sou o que proporciona amor...
E nunca, porém, é amado...

Sou transparente,
Por muitas vezes invisível,
Mostro-te o desprezível,
Convenço-te do indivisível.

Mas e você quem é?
O melhor de mim pode levar,
Eu não vou me importar.
Não peço nada em troca,
Dou o que acho que devo dar,
Por isso posso me machucar,
Você...
Talvez nem vá ligar...
Mas serei sempre a janela
Que te mostrará um belo luar.

domingo, 20 de janeiro de 2008

Coletânia TNTema - Devaneio Já que tão Distante


Coletânea TNtema, esses foram alguns dos desenhos que fiz para o blog que gosto muito, não tinha postado eles por aqui ainda então ai vai!

é engraçado ver a diferença dos primeiros, agora contudo, estou tentando desenvolver esse estilo mais "sujo". e também vou buscar algo mais realista com mais camadas e mais "dimensões” nos próximos.
(ainda devendo a Fada 2)

Super kids- fantastic Four, Páscoa: littler rabbit, Monstros: Monster, Fantasy: lazy Gnome (Duende folgado)

http://tntema.blogspot.com

Devaneio


Já que tão distante.

Jaz em versos de despedida
Aurora de beleza nunca antes vista
Quase mágica no meigo inclinar em seu ombro
Um sorriso que facilmente te conquista

Em momentos importunos me visita
Leva-me por instantes a sua presença,
Inquieto-me, pois sei que longe vagueia,
Numa inalcançável dimensão,
Enraizada, ecoa como uma bela canção.

Tão diferente e singular
Apaixonante em um doce olhar
Onde se esconde carinhosa e egoísta.

Deixem que caminhe livre e bela,
Inspiração de força que é somente dela.
Sei que um dia... quando se encontrar, nela ira se rebelar.
Tão belo sonho se entrega ao demérito.
Antes, fecha os olhos ao que lhe entrego.

Na calma noite sonhas... e sei que terás,
Tudo que merece e o mínimo que desejas
Então agradeço tudo que a mim entregas.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

entrelaços _ primeiro post 2008- Devaneio 11 "seja lá o que fosse"

Nos últimos meses do ano comecei a brincar com traços e compor com um lápis vermelho e canetas esses espaços e configurações, linhas que criam e desmentem superfícies, descobri o resultado meio por acaso em um outro caderno e nesse a5 que saio por ai desenvolvi uma série que foi ganhando forma. ai alguns dos resultados, as linhas que no começo eram bem perdidas começaram a se unir e criar valores. eles não tem pretensão de formar nenhuma imagem referencial ao mundo, mas alguns conseguem, não busco nem inibo esse acontecimento.

Do ultimo ao primeiro...
















Mais um Devaneio

Seja lá o que fosse ...

Se eram flores ou apenas o mato que crescia
Nunca saberei dizer de certo a diferença
Sei apenas que na penumbra daquele fim de tarde
O mar era apenas tormenta.

Com os pés descalços observando as nuvens a caminhar
Sentindo o toque suave das folhas e da areia a beira mar,
Ouvindo sons distantes que talvez nem desse planeta fizessem parte
Junto com o toque do vento nas águas que lambiam a praia.

Sei apenas que eram tristes, e não prometiam vingar.
Se flores fossem seriam belas, mas não há como confirmar.
Se fosse apenas o mato, ou planta sem nenhum glamour
Era de fato um ótimo lugar para morrer só.

As linhas que se entrelaçavam em meu olhar turvo na distância,
Juravam que eram nascidas da lembrança
E que dês de sua tenra infância viviam a procurar um par.
Entravam e saiam, davam nó e quebravam esquinas,
Mas pobres meninas... Nunca chegaram a nada se tornar.