sábado, 10 de novembro de 2007

Se perdendo no tempo - Desenho 42 "Natividade" - Devaneios 10 Hoje em dia


Natividade, ou a inatividade... o Nativo.... aqueles que não pudemos ser...
Estou gostando dos resultados dos meus trabalhos novos... este aqui é lápis grafite, conté sangüínea e caneta nanquim, tudo isso junto com manchas de estrato de nogueira e uma pitada de xilogravura... acabamento e cores digitais! hehe E mais um devaneio...

Hoje em dia

hoje em dia
os dias mais claros nascem,
mas cedo crescem...
e em dias assim...
são mais longos e confusos,
são mais lotados...
dias que eu preferia me trancar no quarto...
dias em que somos refens do tempo...
e como sempre por ele somos controlados...
nos traz a inrealidade, e a ilusão de que ele exite realmente...
na verdade ele eh vento...
as vezes leve... as vezes pesado..
um sopro rapido descontrolado
a brisa lenta inconstante...
na verdade eh apenas a morte...



E Esta ilustração foi para o TNTema http://www.tntema.blogspot.com/
o tema era desenho animado... esses foram uns dos quais eu me lembrei
também queria muito fazer do caverna do dragão, doug, e outros...
mas bom ainda os farei! hehe abraços

sábado, 3 de novembro de 2007

Nossa que estranho! - Desenho 41/ Devaneio 9


Aqui vai um novo... a série da fada tem continuação, mas vai ter que esperar um pouco.
esse eu fiz com aquarela e lapis de cor e a finalização foi digital. O papel é a alma do desenho
fazer uma aquarela antigamente me deixava frustrado, ainda não tão contente sigo feliz com materiais mais decentes... hehe

em seguida mais um Devaneio

Sobre o inconcebível

Há quem um dia dirá
Que em seu caminho
Nada se cumprirá

Este alguém em constate conflito
Vai se desfazer aflito,
Quando de longe o avistar

Montado em sua glória
Vestido de vitória
Com muito para contar

Não completo, no entanto,
Pois seu coração ingrato
Não quis te acompanhar

Vagueia ele e tão triste
pois perdido existe
e não vai se encontrar

Mais para aquele que o inveja,
A tua total felicidade festeja
Querendo no fundo te apunhalar

Com asas cortadas por mentiras
Correntes mais fortes que a saudade
Vê seu amor seguir as sereias.

E há quem um dia dirá
Que é impossível infeliz estar
Pois de fora é fácil dizer
Mas só de dentro pode se perceber
O que para os outros é inconcebível...